sexta-feira, 15 de março de 2013

Atividades - Romantismo


2º ANO
 INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS ROMÂNTICOS



01. Leia o texto abaixo para em seguida responder à questão proposta:
               O romantismo no Brasil encontrou no "mito do bom selvagem" uma maneira de enaltecer a cultura nacional. A produção com temática indígena ficou conhecida como "indianista".
               Como contraposição ao português, nosso conquistador e colonizador, ou mesmo ao europeu, e devidamente distanciado do negro escravo, também "estrangeiro", o índio tornou-se o símbolo do homem brasileiro, de sua origem e originalidade, de seu caráter independente, puro (de "bom selvagem"), bravo e honrado.
               Ressalve-se, porém, que esse índio é compreendido através da óptica idealizadora do romantismo e está longe de corresponder a uma aproximação da realidade do índio brasileiro. Simboliza, antes, os ideais de heroísmo e humanidade das camadas cultas de nossa sociedade imperial.
                 No Romantismo europeu, esse papel foi exercido pela figura do cavaleiro medieval, personagem histórica da época de origem e formação das nações européias, que desempenhou o papel de herói em várias obras literárias.
                   Substancialmente, o Indianismo está presente em nossas obras literárias românticas, enquanto idealização e valorização do índio, e também enquanto registro ou invenção imaginária de seu modo de vida, costumes e crenças, bem como de sua linguagem. Na época, tiveram impulso os estudos da língua tupi antiga, cujos vocábulos foram a partir de então aos poucos integrando a linguagem culta do Português escrito no Brasil.
                    Os exemplos mais evidentes e significativos desse Indianismo podem ser encontrados na poesia de Gonçalves Dias e na prosa de José de Alencar.

QUESTÃO 1
A partir das discussões realizadas em sala de aula sobre o poema “I – Juca Pirama” de Gonçalves Dias, explique – através de um pequeno texto - porque o índio retratado nesta obra pode ser considerado o típico herói brasileiro.




QUESTÃO 2
“O romantismo trouxe grande contribuição para construção da nação brasileira”. Justifique a afirmativa.




02. O texto a seguir refere-se às questões de 1 a 3.


Marabá


Eu vivo sozinha, ninguém me procura!
Acaso feitura
Não sou de Tupá!
Se algum dentre os homens de mim não se esconde:
— "Tu és", me responde,
"Tu és Marabá!"

— Meus olhos são garços, são cor das safiras,
— Têm luz das estrelas, têm meigo brilhar;
— Imitam as nuvens de um céu anilado,
— As cores imitam das vagas do mar!

Se algum dos guerreiros não foge a meus passos:
"Teus olhos são garços",
Responde anojado, "mas és Marabá:
"Quero antes uns olhos bem pretos, luzentes,
"Uns olhos fulgentes,
"Bem pretos, retintos, não cor d'anajá!"

— É alvo meu rosto da alvura dos lírios,
— Da cor das areias batidas do mar;
— As aves mais brancas, as conchas mais puras
— Não têm mais alvura, não têm mais brilhar.
Se ainda me escuta meus agros delírios:
— "És alva de lírios",
Sorrindo responde, "mas és Marabá:
"Quero antes um rosto de jambo corado,
"Um rosto crestado
"Do sol do deserto, não flor de cajá."
[...]
— Meus loiros cabelos em ondas se anelam,
— O oiro mais puro não tem seu fulgor;
— As brisas nos bosques de os ver se enamoram
— De os ver tão formosos como um beija-flor!

Mas eles respondem: "Teus longos cabelos,
"São loiros, são belos,
"Mas são anelados; tu és Marabá:
"Quero antes cabelos, bem lisos, corridos,
"Cabelos compridos,
"Não cor d'oiro fino, nem cor d'anajá,"

E as doces palavras que eu tinha cá dentro
A quem nas direi?
O ramo d'acácia na fronte de um homem
Jamais cingirei:

Jamais um guerreiro da minha arazóia
Me desprenderá:
Eu vivo sozinha, chorando mesquinha,
Que sou Marabá!

Marabá: mistura de índio e branco.
Tupá: Tupã. Gonçalves Dias altera a redação da vogal final para garantir que o termo rime com “Marabá”.
Garços: de cor azul-esverdeada.
Anojado: entristecido.
Fulgentes: brilhantes.
Anajá: tipo de palmeira.





QUESTÕES

1. Quais são as características físicas de Marabá?
a) A que ideal de beleza essas características correspondem?


2. Desprezada por seu povo, Marabá reproduz as falas dos homens da tribo que fogem do contato com ela. Explique, com base nessas falas, por que a índia é desprezada.
a) Que elementos, presentes nessas falas, comprovam desprezo?



3. Esse poema, embora relacionado ao indianismo, apresenta tom mais lírico e confessional. Que sentimento domina o eu lírico? Justifique com elementos do poema.
a) Na linguagem utilizada e no conteúdo, quais os elementos do poema que mostram que ele pertence à primeira geração da poesia romântica?




03. Sobre a poesia de Álvares de Azevedo, responda:





Minha musa




Minha musa é a lembrança
Dos sonhos em que eu vivi,
É de uns lábios a esperança
E a saudade que eu nutri!
É a crença que alentei,
As luas belas que amei
E os olhos por quem morri!

Os meus cantos de saudade
São amores que eu chorei,
São lírios da mocidade
Que murcham porque te amei!



As minhas notas ardentes
São as lágrimas dementes
Que em teu seio derramei!

Álvares de Azevedo “Lira dos vinte anos”

a) Quais as características românticas presente no texto.


b) Explique a relação amor X passado retratado no texto.


04.Sobre a poesia da 3ª geração :





Senhor Deus dos desgraçados!
Dizei-me vós, Senhor Deus,
Se é loucura… se é verdade
Tanto horror perante os céus?…
Ó mar, por que não apagas
Co’a esponja de tuas vagas
Do teu manto este borrão?
Astros! noites! tempestades!
Rolai das imensidades!
Varrei os mares, tufão!…
Que são estes desgraçados
Que não encontram em vós,
Mais que o rir calmo da turba
Que excita a fúria do algoz?
Quem são? Se a estrela se cala,
Se à vaga pressa resvala
Como um cúmplice fugaz
Perante a noite confusa…
Vocabulario :
Vaga: tipo de onda
Turba: muldidão

Castro Alves “ Navio Negreiro”

01. O que o poeta está querendo retratar.

02. Cite características românticas no texto.





05.Sobre a prosa romântica responda .









A Moreninha
Joaquim Manuel de Macedo

    D. Carolina passou uma noite cheia de pena e de cuidados, porém já menos ciumenta e despeitada; a boa avó livrou-a desses tormentos. Na hora do chá, fazendo com habilidade e destreza cair a conversação sobre o estudante amado, dizendo:
     - Aquele interessante moço, Carolina, parece pagar-nos bem a amizade que lhe temos, não entendes assim?...
     - Minha avó...eu não sei.
     - Dize sempre, pensarás acaso de maneira diversa?...
     A menina hesitou um instante e depois respondeu:
     - Se ele pagasse bem, teria vindo domingo.
     - Eis uma injustiça, Carolina. Desde sábado à noite que Augusto está na cama, prostrado por uma enfermidade cruel.
     - Doente?! Exclamou a linda Moreninha, extremamente comovida. Doente?...em perigo?...
     - Graças a Deus, há dois dias ficou livre dele; hoje já pôde chegar à janela, assim me mandou dizer Filipe.
     - Oh! Pobre moço!... se não fosse isso, teria vindo ver-nos!...
     E, pois, todos os antigos sentimentos de ciúme e temor da inconstância do amante se trocaram por ansiosas inquietações a respeito de sua moléstia.
     No dia seguinte, ao amanhecer, a amorosa menina despertou, e buscando o toucador, há uma semana esquecido, dividiu seus cabelos nas duas costumadas belas tranças, que tanto gostava de fazer ondear pelas espáduas, vestiu o estimado vestido branco e correu para o rochedo.
     - Eu me alinhei, pensava ela, porque enfim... hoje é domingo e talvez... como ontem já pôde chegar à janela, talvez consiga com algum esforço vir ver-me.
     E quando o sol começou a refletir seus raios sobre o liso espelho do mar, ela principiou também a cantar sua balada:
    “Eu tenho quinze anos
     E sou morena e linda”.
     Mas, como por encantamento, no instante mesmo em que ela dizia no seu canto:
     “Lá vem sua piroga
     Cortando leve os mares”
Um lindo batelão apareceu ao longe, voando com asa intumescida para a ilha.
     Com força e comoção desusadas bateu o coração de d. Carolina, que calou-se para empregar no batel que vinha atentas vistas, cheias de amor e de esperanças. Ah! Era o batel suspirado.
     Quando o ligeiro barquinho se aproximou suficientemente, a bela Moreninha distinguiu dentro dele Augusto; sentado junto a um respeitável ancião, a quem não pôde conhecer (...).
     (...)
     Augusto, com efeito, saltava nesse momento fora do batel, e depois deu a mão a seu pai para ajudá-lo a desembarcar; d. Carolina, que ainda não mostrava dar fé deles, prosseguiu seu canto até que quando dizia:
     “Quando há de ele correr
     Somente para me ver...”
Sentiu que Augusto corria para ela. Prazer imenso inundava a alma da menina, para que possa ser descrito; como todos prevêem, a balada foi nessa estrofe interrompida e d. Carolina, aceitando o braço do estudante, desceu do rochedo e foi cumprimentar o pai dele.
     Ambos os amantes compreenderam o que queria dizer a palidez de seus semblantes e os vestígios de um padecer de oito dias, guardaram silêncio e não tiveram uma palavra para pronunciar; tiveram só olhares para trocar e suspiros a verter. E para que mais?

01. D. Carolina estava atormentada pelo ciúme e despeito devido
a) as conversas que ela tinha com a avó.
b) ao não comparecimento de Augusto a sua casa.
c) as informações que Filipe deu sobre Augusto.
d) ao bom conceito que a avó tinha de Augusto.

02.A conversa entre d. Carolina e sua avó sobre o estudante amado pela jovem  foi
a) esclarecedora     b) desmotivante      c) entediante           d) animadora

03. O ciúme e o despeito de d.Carolina foi substituído
a) pela esperança e serenidade diante das informações dadas pela avó.
b) pelo alívio e tranqüilidade por causa do recado de Filipe.
c) pelas ansiosas inquietações a respeito da doença de Augusto.
d) pela culpa de ter julgado mal seu amado.

04. A menina voltou a arrumar-se pois
a) queria ir visitar o amado.
b) tinha esperança de ser visitada pelo amado.
c) recuperou-se do ciúme e do despeito.
d) foi aconselhada pela avó a cuidar-se.

05. “Com força e comoção desusadas bateu o coração de d. Carolina...”, o termo em destaque significa
a) enormes          b) constantes               c) incomuns                d) reais

06. O reencontro de d. Carolina e Augusto foi
a) cheio de declarações de amor.
b) cheio de questionamentos.
c) marcado pela indiferença e dúvidas.
d) marcado pela troca de olhares e suspiros.



2 comentários:

Anne Almeida disse...

Preciso das repostas

Anne Almeida disse...

Preciso das respostas